12 de outubro, uma data que não será esquecida na PCDF


O dia 12 de outubro é dia em que se comemora a Padroeira do Brasil – Nossa Senhora da Conceição Aparecida –, popularmente conhecida por Nossa Senhoria Aparecida, data em que, também, se comemora o Dia das Crianças.

A ideia de se comemorar um dia para as crianças partiu do deputado federal Galdino do Valle Filho, na década de 1.920, sendo escolhido o dia 12 de outubro, por meio do decreto 4.867 de 5 de novembro de 1924.

Conta ainda à história, que a data só veio “pegar” em 1.960 quando a fábrica de Brinquedos Estrela em conjunto com a Johnson & Johnson, com intuito de aumentar suas vendas, fez grande promoção. Daí o destaque de dar presentes no Dia das Crianças.

Foi exatamente esta data, 12 de outubro, que a Polícia Civil do Distrito Federal, marco filho1escolheu para lançar, no Clube Social da Agepol, a “Família Charlie”, composta, até então, de três personagens: Vitor, um pequeno carrinho, e dois bonecos intitulados Charlie e Juliete. Personagens que a partir de agora ficarão responsáveis pela divulgação do nome “Polícia Civil” junto à comunidade. Como o próprio Diretor-Geral da Polícia Civil do Distrito Federal, Eric Seba disse: “o objetivo, com esta família de mascotes, é aproximar cada vez a Polícia Civil da comunidade”.

Para D´Sousa, presidente da Agepol, o lançamento destes personagens vem atender uma antiga reivindicação dos Policiais Civis, pois até então, não tínhamos nada que se assemelhassem em crianca 2015 1promoção da Instituição. Estávamos sempre atrás das coirmãs.

Ademais, as Instituições Policiais tem por obrigação promover ações de cunho social, cujo objetivo é mostrar para a comunidade que o policial é um parceiro, um amigo, um conselheiro que pode, e deve ser buscado, a qualquer tempo para estar junto com a sociedade, sobretudo contatando com as crianças, para que estas passem a ter a ideia, e por que não, sonhar em ser um policial, pois o policial é uma pessoa do bem, que ajuda as pessoas, que dar segurança a todos, e não sonhar em ser um traficante de drogas. A polícia tem que estar presente, dia-a-dia com a comunidade.

Não tenho dúvida que a Direção-Geral, por meio de seu Diretor Eric Seba, em conjunto com toda a equipe da AGE, Delegada Débora, e dos Agentes Pinheiro, Tatiana, Andrei, Andréia, Cátia e Sérgio, deu um salto para o futuro.

O conhecimento técnico-científico de nossos Policiais Civis não pode ser desperdiçado. E a Direção-Geral valorizou o trabalho do Agente de Polícia Sérgio, conhecido no meio artístico como "Sérgio Lápis", criador dos personagens, trazendo-os para o nosso conhecimento, cuja empreitada será imensurável. 


D´Sousa, presidente da Agepol.